Blog Agibank
Pra você ficar bem informado agora.

Insights sobre tecnologia, inovação e finanças.

Pandemia acelerou a digitalização dos 50+

Seis a cada 10 pessoas com mais de 50 anos usaram mais o celular desde o começo da pandemia do Coronavírus do que faziam antes. Além disso, uma a cada quatro passou a usar mais serviços de delivery e quase um terço do total fez mais compras online. Essas são somente algumas das descobertas da pesquisa “50+: novos tempos, novos hábitos”, realizada pelo Agibank em parceria com a empresa de pesquisas Núcleo 60+, que estuda o hábito das pessoas maduras.

Esses comportamentos provam que a pandemia não mudou somente nossos hábitos de higiene, mas transformou também a forma como as pessoas se relacionam com as instituições financeiras. Canais como o aplicativo do banco e o internet banking, por exemplo, foram os meios pela internet que mais cresceram entre os maduros. E aquela história de que pessoas mais velhas não são digitais ficou definitivamente para trás: 88% dos brasileiros com mais de 50 anos possuem um celular ou smartphone, 75% têm acesso à internet pelo celular, 47% têm computador/notebook e 44%, uma Smart TV em casa.

 

Canais e meios

Mesmo que o isolamento social tenha ampliado o uso dos canais digitais, o atendimento físico segue bastante valorizado entre os 50+, sendo o “caixa eletrônico da agência” e o “atendimento dentro da agência” alguns dos canais preferidos, ficando atrás apenas do “app do banco no celular”.

 

Canais de atendimento preferido

 

Ainda que estejamos em 2020, em um cenário de rápida adoção das ferramentas e dos canais digitais por todos os públicos, engana-se quem pensa que depois da pandemia tudo deve seguir assim. Na verdade, o que os pesquisadores entendem é que cada vez mais haverá uma complementariedade de canais, com as pessoas usando ora os serviços presenciais, ora os digitais.

Outro dado do estudo que reforça essa tese é que, mesmo que as compras online e por delivery tenham aumentado, 41% das pessoas com mais de 50 anos seguem comprando presencialmente da mesma forma como faziam antes. O cartão de débito ou crédito também aparece como a forma mais usada por todas as faixas etárias. Mas o uso entre os 50+ é quase o dobro dos mais jovens. Enquanto 52% dos maduros usam o cartão para movimentações financeiras, somente 36% dos mais jovens utilizam. E o dinheiro físico também segue importante: pouco mais de um quarto dos 50+ costumam sacar toda a renda para usar o dinheiro em espécie ao longo do mês. Por isso também, entre as pessoas com as menores faixas de renda, as casas lotéricas são um importante canal de atendimento financeiro, assim como o saque em espécie.

 

Canais mais usados para movimentação de renda

 

 

Com todos esses dados, a previsão é que daqui para frente o que deve prevalecer é a diversificação no uso de canais para atendimento financeiro. Mesmo com o crescimento do digital, a experiência completa e próxima que um atendimento presencial entrega ainda é um grande diferencial, especialmente para os 50+. Dada a sua representatividade na demografia brasileira e o quanto esse número de pessoas vai crescer nos próximos 30 anos, será imprescindível considerar suas demandas específicas e os seus comportamentos na relação com as instituições financeiras.

 

Sobre o estudo

A pesquisa do Agibank e Núcleo 60+ foi feita entre setembro e outubro de 2020 e ouviu 1.464 pessoas de todo o Brasil. Do total, 68% foi composto por indivíduos com 50 anos ou mais e 32% era de pessoas de 30 a 49 anos, que formaram a amostra controle. O estudo tem confiança de 95%, e margens de erro de 3,01% para o grupo 50+ e 4,6% para o grupo de 30 a 49 anos.

Acesse o estudo completo: