Blog Agibank
Pra você ficar bem informado agora.

Insights sobre tecnologia, inovação e finanças.

Como dividir as contas depois do casamento?

Conhecido como o mês das noivas, maio foi por muito tempo lembrado como um período de festas. E nessa hora quase ninguém lembra dos boletos que, a partir de agora, vão chegar no mesmo endereço. Mas basta chegar o primeiro para bater a dúvida: como dividir as contas depois do casamento?

Em primeiro lugar, lembre-se: assim como no amor, nas finanças não tem uma regra que sirva para todo mundo. Cada casal tem que achar o seu jeito de cuidar do dinheiro. Desde que fique bom para as duas partes, é claro.

Mas algumas dicas podem ajudar quem está começando uma vida a dois. A seguir, vamos mostrar formas de organizar as finanças sem estragar a lua de mel.

Conversem sobre dinheiro

Antes de descobrir como organizar as finanças, pense que, como tudo na vida de um casal, vocês vão ter que negociar. A gente sabe que dinheiro ainda é um assunto que muita gente evita. Só que, no casamento, não tem jeito: você vai ter que falar sobre isso com o seu parceiro.

Aqui dica de ouro é não adiar esse momento. Afinal, o primeiro passo para colocar ordem nas finanças do casal é uma boa conversa. Pense que falar sobre isso tem que fazer parte da rotina de vocês a partir de agora.

Façam uma lista das despesas

Mas, por onde começar? Quando falar sobre finanças com seu companheiro, seja transparente. Conte quanto ganha e quanto gasta, e deixe claro o que você deseja para o futuro. Pense que agora vocês são um time, ou seja, vão ter que trabalhar em conjunto para realizar alguns sonhos.

Passada essa etapa, faça uma lista das despesas da casa junto com seu companheiro. Elaborar um orçamento é importante para que vocês não gastem mais do que ganham. Ninguém quer começar uma relação se endividando, né?

Foquem em um orçamento realista

Depois das despesas em comum, coloquem no papel os gastos individuais fixos, como uma pós-graduação ou a pensão alimentícia de um filho, por exemplo. Aqui também é importante incluir as dívidas, caso você tenha alguma.

A partir daí, definam as prioridades. Lembre-se que as despesas básicas, como aluguel, água e luz, devem estar no topo da lista. Se orçamento final ficar maior do que o que vocês ganham, decidam juntos quais gastos vão cortar.

Definam metas e planos em comum

Uma atitude importante para incentivar os dois a cuidar do dinheiro é definir metas. Decidam em dupla quanto querem economizar e onde vão investir o dinheiro que sobrar.

Para isso, façam planos juntos. Pode ser comprar uma casa ou fazer uma viagem, por exemplo. Se vocês quiserem, podem criar uma conta compartilhada só para guardar o dinheiro das metas do casal.

Mas não se esqueça de ter suas metas e planos individuais. Não é porque você se casou que deve deixar de lado as suas vontades, viu?

Como decidir a melhor forma de dividir as contas?

Agora que vocês já colocaram as cartas na mesa, é hora de decidir como vão dividir as despesas. Para começar, levem em conta o regime de bens que vocês escolheram quando se casaram. A gente te ajuda a lembrar:

  • Comunhão universal de bens: os bens são divididos por igual, inclusive os adquiridos antes do casamento.
  • Comunhão parcial de bens: apenas os bens adquiridos depois do casamento são divididos por igual.
  • Separação total de bens: cada um tem o seu próprio patrimônio.

Finalmente, vocês poderão escolher o melhor jeito de organizar as finanças do casal. Vamos falar sobre três opções: conta conjunta, divisão meio a meio e divisão proporcional.

Conta conjunta vale a pena?

Muitos educadores financeiros torcem o nariz para a conta conjunta, mas pode ser que ela funcione para vocês. E tudo bem.

Nesse modelo, o casal cria um conta única onde deposita tudo o que os dois ganham. Ou seja, os dois têm acesso total ao saldo, e podem controlar os gastos um do outro. Também é dessa conta que sai o dinheiro para pagar as despesas da casa.

Como o dinheiro fica centralizado em um só lugar, essa pode ser uma boa opção para quem quer uma saída prática. Se escolherem ir por esse caminho, tentem definir antes o valor que cada um poderá gastar para suas despesas individuais.

Contas separadas: cada um paga a metade

Outra forma de dividir as contas é o famoso meio a meio, que é quando cada um fica responsável por metade do valor das despesas conjuntas. Parece simples, né? Mas esse modelo pode ser meio injusto se os salários de vocês foram muito diferentes.

Pense bem: se as contas da casa somam R$ 3 mil, por exemplo. Vamos supor que uma das pessoas ganhe R$ 5 mil por mês e a outra, R$ 2 mil. Se cada um pagar a metade, R$ 1,5 mil, quem tem salário menor vai gastar mais da sua renda mensal. Ou seja, não vai ficar bom para os dois.

Por esse motivo, esse modelo funciona melhor quando o casal ganha mais ou menos a mesma coisa.

Contas separadas: quem ganha mais, paga mais

Um jeito de organizar as finanças que pode ser mais justo é a divisão proporcional. Em resumo, significa que quem ganha mais contribui com um valor maior. Calma que a gente te explica.

Pense, por exemplo, no mesmo casal que dividiu as contas meio a meio. Um ganha R$ 5 mil por mês e o outro, R$ 2 mil. As despesas em comum dão R$ 3 mil.

Agora vamos às contas. No modelo proporcional, o casal vai, primeiro, somar tudo o que ganha. Nesse caso, são R$ 7 mil. Em seguida, vai calcular o percentual de cada um nesse bolo.

O salário maior, R$ 5 mil, representa 71% do total da renda. Então, na divisão proporcional, essa pessoa arcaria com 71% da despesa conjunta, que é R$ 3 mil. Ou seja, iria contribuir com R$ 2.130,00 por mês.

Também dá para definir um percentual igual para os dois colocarem em uma conta compartilhada. Se for metade da renda, por exemplo, um iria contribuir R$ 2,5 mil e o outro, com R$ 1,5 mil. Um total de R$ 4 mil para pagar as contas. Bem tranquilo, né?

Criem uma reserva de emergência

Quando finalmente decidirem como vão dividir as contas, comecem a criar uma reserva de emergência. Ela vai servir para ajudar vocês a passarem por situações inesperadas sem ficarem apertados de dinheiro.

Mas, como fazer isso? Juntem o valor equivalente aos gastos de seis meses a um ano. Dá para chegar lá guardando um pouco por mês, 10% da renda líquida, que é o valor do salário depois dos descontos. Se vocês preferirem, cada um pode ter a sua.

Apliquem o valor em um fundo que deixe vocês retirarem o dinheiro a qualquer momento, como o Tesouro Selic. Ele é seguro e rende mais do que a poupança.

Invistam e multipliquem

Depois de criar a reserva de emergência, é hora de investir. Juntos ou separados? Tanto faz.

O mais importante é ter em mente que essa é a melhor forma de alcançar objetivos de longo prazo. Ou seja, sempre vale a pena.

Uma ótima opção para começar são títulos de renda fixa, como os CBDs do Agibank. Neles, você pode investir a partir de R$ 500.

Quer saber mais? Mande um e-mail para aline.brum@agibank.com.br ou marcel.reis@agibank.com.br

Afinal, como dividir as contas depois do casamento?

Como você viu, não existe uma receita pronta para organizar as finanças do casal. Cada um segue o caminho que for melhor para os dois.

Seja qual for a escolha, uma coisa é certa: com diálogo, tudo fica mais fácil. Veja algumas dicas para ter sucesso:

  • Tentem conversar pelo menos uma vez por mês sobre finanças
  • Sejam sinceros sobre o que ganham e quanto gastam
  • Sonhem juntos, e tracem um plano para fazer acontecer

Antes de tudo, lembre-se que vocês só vão descobrir qual é o melhor jeito se tentarem. Quem sabe não vale testar por um tempo cada um dos modelos?