Blog Agibank
Pra você ficar bem informado agora.

Insights sobre tecnologia, inovação e finanças.

Como cortar gastos e fazer um planejamento financeiro

Você não consegue fazer o dinheiro durar até o fim do mês? Se esse é o seu caso, não se desespere. Antes de se endividar pra conseguir pagar as contas, você deve buscar alternativas dentro das suas condições. Vamos ensinar você a como cortar gastos e fazer um planejamento financeiro.

Em primeiro lugar, tenha em mente que o caminho da tranquilidade nas finanças passa pela organização. Você tem que conhecer bem sua condição financeira e acabar com as dívidas antes de realizar seus sonhos de consumo. Mas calma. Não é tão difícil quanto parece.

Você sabe classificar seus gastos?

O primeiro passo para não terminar o mês no vermelho é fazer os seus gastos caberem no seu orçamento. Para isso, você deve definir o grau de importância de cada uma das suas despesas. Veja como classificar os gastos:

  • Necessários: são os gastos considerados indispensáveis. Aquilo que você não pode viver sem, como alimentação, moradia e vestuário.
  • Supérfluos: são gastos que atendem mais aos desejos que às necessidades. Usar roupas de marca, jantar em restaurantes e assinar TV a cabo estão entre eles.
  • Desperdícios: são gastos que não geram bem-estar e não atendem nem às necessidades nem aos desejos. Podem ser multas por atraso, alimentos que você deixa estragar ou deixar a luz de um cômodo vazio acesa, por exemplo.

Quais gastos posso cortar?

Agora que você já sabe como classificar seus gastos, é hora de colocar tudo no papel. Isso vale para os mais básicos, como o valor do aluguel, até os gastos extras, como jantar fora. Deixe os mais importantes primeiro e os menos importantes para o fim da lista.

Para conseguir equilibrar as contas, comece eliminando o desperdício. Em um momento de crise, pode ser que você tenha que cortar os supérfluos também. Já os gastos necessários você pode diminuir buscando alternativas mais baratas.

Como cortar gastos desnecessários?

Mas, como dividir o dinheiro que você ganha? Pense que todas as suas contas têm que caber dentro do seu salário.

Para decidir como gastar, você pode usar essa fórmula:

  • 50% do salário para as contas principais, como gastos com a casa, saúde, transporte e alimentação.
  • 35% para os gastos extras, como fazer academia, jantar fora e ir ao cabeleireiro, por exemplo.
  • 15% para emergências, ou seja, uma reserva para gastos imprevistos. Se não usar, guarde.

Quer saber como funciona na prática? Vamos aplicar essa fórmula no valor do salário mínimo em maio de 2021: R$ 1.100,00. Veja como calcular:

  • 50% é a metade, então R$ 1.100/2 = R$ 550
  • 35%: 35/100 x R$ 1.100 = R$ 385
  • 15%: 15/100 x R$ 1.100 = R$ 165
  • Faça uma lista das suas dívidas

    Saber como dividir seu salário é importante, mas não vai resolver o problema se você tem dívidas. Nesse caso, acabar com elas deve estar entre as suas prioridades. Lembre-se de que você tem que controlar seus gastos para não ser negativado, por exemplo.

    Para começar, faça uma lista de todas as suas dívidas. Anote valor, o prazo de pagamento e até as taxas de juros.

    Depois, determine o que você vai pagar primeiro. O ideal é tentar sempre se livrar das dívidas mais caras antes.

    Se perceber que não tem como pagar, tente renegociar. Tenha em mente que, em alguns casos, você pode ter um serviço cancelado se atrasar o pagamento.

    Troque dívidas caras por outras mais baratas

    Outra opção para se livrar das dívidas mais rápido é trocar as mais caras por outras, mais baratas. Mas o que isso quer dizer?

    Dívidas no cheque especial e cartão de crédito, por exemplo, tem juros altos. Nesse caso, vale a pena pegar um empréstimo com juros mais baixos pagar toda a dívida do cartão. Assim, os juros da sua nova dívida serão bem mais baixos.

    Mas vá com calma. Lembre-se que pedir um empréstimo deve ser sempre o último recurso, e nunca um hábito. Isso porque o crédito também é um dinheiro que não é seu. Ou seja, uma nova dívida.

    Se mesmo assim você achar que precisa de um empréstimo, pesquise antes. Uma opção com boas condições é o crédito consignado do Agibank. Além de ser descontado direto no contracheque, ele pode ser feito sem você precisar sair de casa. Saiba mais sobre o consignado digital clicando neste link.

    Como cortar gastos no cartão de crédito

    Agora que você já sabe como organizar os seus gastos, comece a economizar. Um passo importante para conseguir guardar dinheiro é diminuir seu gasto mensal.

    Para isso, use o cartão de crédito com sabedoria. Pague as compras mais baratas em dinheiro e deixe para parcelar apenas quando precisar de alguma coisa mais cara e não puder esperar.

    Além disso, tente pagar a fatura sempre em dia. Lembre-se que os juros do rotativo estão entre os mais caros do mercado.

    Crie uma reserva de emergência

    Com as contas em dia, você pode fazer a sua reserva de emergência. O que é isso? É um dinheiro que você guarda para conseguir pagar as contas por um tempo se perder o emprego, por exemplo.

    O ideal é tentar juntar o equivalente a, pelo menos, seis meses das suas despesas mensais. Mas, se conseguir, faça uma reserva com o valor equivalente a dez ou doze meses. Pense que, quanto maior for a sua reserva, mas prevenido você vai estar contra os imprevistos.

    Esse dinheiro deve ser aplicado em um fundo fácil de sacar. Um exemplo é o Tesouro Selic, que permite que você retire o dinheiro sem pagar taxas quando precisar.

    Tenha metas para o seu dinheiro

    Se você já consegue pagar as suas contas e tem uma reserva de emergência, é hora de poupar. Comece escrevendo seus objetivos e coloque uma data para realizá-los. Assim fica mais fácil planejar seus gastos.

    Pense que você deve tentar sempre ter o dinheiro antes de realizar o seu objetivo. Ou seja, se você quer fazer uma viagem, veja quanto ela vai custar e guarde um pouco cada mês para ter o valor total antes de sair de férias.

    Além disso, tente guardar, pelo menos, 10% do que você ganha. O próximo passo é começar a investir. Uma ótima opção são títulos de renda fixa, como os CBDs do Agibank. Neles, você pode investir a partir de R$ 500.

    Quer saber mais? Mande um e-mail para aline.brum@agibank.com.br ou marcel.reis@agibank.com.br